ArtigosBruxariaMagia

Então você quer ser uma bruxa?

Desconheço a autoria. Salvei esse texto de um site a muitos anos atrás. Na época já não constava a autoria. Tentei acessar o site novamente mas apresentou erro. Então se você leitor conhece a autoria, por favor me avise. Só estou disponibilizando por achar que vale a pena pelo seu teor.

Começando:

  • Parte 1 – A Fase de Interesse
  • Parte 2 – A Fase de Exploração
  • Parte 3 – A Fase do Começo da Prática
  • Parte 4 – A Fase da Prática dos Ritmos da Natureza

Eu quero entrar em um coven. Onde acho um?

Muitos recém-chegados à Arte começam a aprender sobre Bruxaria/Wicca lendo alguns livros. Não demora muito para que eles descubram que cada autor tem uma abordagem diferente sobre o assunto. Informações, mesmo sobre os elementos mais básicos como história, círculo mágico e feitiços, podem muitas vezes ser não apenas diferentes, mas também conflitantes. Quando chega a este ponto, o recém-chegado levanta as mãos aos céus em desespero e decide encontrar uma pessoa real para ajudá-lo a arrumar toda essa confusão. Quem poderia culpá-lo por isso?

Quando os recém-chegados fazem a pergunta “onde eu acho um coven?” frequentemente são surpreendidos com a resposta (ou mesmo com resposta alguma) de que eles devem receber um convite para entrar em um. É-lhes dito que leiam mais livros, visitem vários websites e comecem a praticar sozinhos. Isto pode parecer um balde de água fria aos buscadores – e às vezes é mesmo! – e eles podem ficar mais frustrados do que antes. Então, como um novo buscador realmente PODE encontrar alguém para ajudá-lo – e talvez mesmo encontrar alguns outros pagãos?

Começando…

Então você quer ser uma bruxa?

Há alguns pontos importantes que devem ser discutidos logo no começo desta seção. A primeira coisa que o buscador deveria saber é que muito do “conhecimento” que nós possuímos hoje sobre Bruxaria e as suas origens é uma combinação de dados arqueológicos, mitos e lendas que nos foram transmitidos e alguns documentos históricos que têm sido traduzidos. O resto é conjectura e as “melhores suposições” de acadêmicos que estão trabalhando para “costurar tudo isso”. Em outras palavras, ninguém pode dizer ao certo o que os nossos Ancestrais realmente faziam e porque.

Isto não significa que nós não temos NENHUM conhecimento – nós certamente TEMOS! – mas nós simplesmente não temos O conhecimento histórico sobre as origens da Bruxaria. Diferentes interpretações vão continuar a surgir tanto em materiais escritos quanto em qualquer tipo de instruções que você puder encontrar. Nunca haverá apenas uma forma de se praticar Bruxaria. Acostume-se com isso. Ninguém tem a “única resposta verdadeira”… e qualquer professor sério lhe dirá isso de pronto.

O dito acima é a sua primeira introdução ao que está relacionado com seguir o caminho da Bruxaria. Será esperado que você mesmo faça MUITA pesquisa. Isto, na verdade, é uma maneira muito saudável de se abordar os estudos preliminares de qualquer Caminho pelo qual você se interesse. Leia muitos, muitos livros sobre o assunto – tanto os eruditos quanto aqueles que você consideraria como “comerciais”. Por que? Porque esta é a sua primeira investida em águas desconhecidas. Você deve abordá-las com mente aberta – preparado para questionar, investigar e ponderar. É impossível estimar o quão útil é este primeiro passo. Ele pode ajudá-lo a formular as suas próprias ideias sobre o que este Caminho significa a você.

Não tente incorporar tudo o que você leu em um todo coeso logo ao começo. Olhe para qualquer material que você esteja lendo como uma “teoria” ou “hipótese” sobre Bruxaria. Algumas coisas lhe parecerão chamativas prontamente. Outras irão parecer estranhas ou muito fantásticas para serem úteis. Nem aceite nem rejeite nada neste estágio; apenas continue a acumular informações. Você está fazendo uma “pesquisa”. O quanto mais você ler, mais você será capaz de “unir fragmentos de informações” dentro de você. Então você terá uma base sobre a qual você poderá dar o primeiro passo.

Parte 1 – A Fase de Interesse:

Você viu um filme (cujo nome não se deve dizer!), você leu alguns livros, você passou por um website, você falou com alguém que disse ser um(a) bruxo(a) – e agora você quer mais! Você despertou um “interesse” pela Arte. Muitos buscadores neste ponto correm para o quadro de mensagens mais próximo e gritam “ensine tudo o que você sabe!” A reação dos outros a este apelo pode variar desde à semi-ajuda “pesquise mais” até a rudeza da exclamação “esses pink wiccans!” Qualquer uma destas respostas provavelmente vai deixá-lo insatisfeito (se não magoado!) e desencorajado. Por que você não pode simplesmente ter a ajuda que você está pedindo? Bem, talvez você não tenha formulado o seu pedido de modo eficaz para obter o tipo de auxílio que você está procurando.

Bruxaria é um Caminho profundo. Ela não pode ser resumida em “25 palavras ou menos”. Você precisa aprender a fazer perguntas ESPECÍFICAS. É aqui que entrar a pesquisa prévia que você fez. Uma pergunta inteligente e bem pensada sobre um assunto específico irá gerar como efeito uma resposta ou opinião inteligente e bem pensada. Cite as suas fontes. “Esta autora escreveu que este é o modo de se traçar o círculo, ainda que este outro autor de que é de outro modo. Você poderia me dar a sua opinião ou relatar a sua experiência sobre isso? Há algum problema em uma dessas formas de se traçar o círculo?”

Os “Sins” e “Nãos” da Fase de Interesse…

SIM… Leia todos os livros que puder sobre o assunto – História, mitos, poesia, psicologia e ciência, assim como livros de Bruxaria e Magia.

SIM… Faça uma pesquisa em biblioteca. Tome notas ou sublinhe passagens particularmente interessantes para você. Se você tem uma dúvida sobre o que está escrito, faça um ponto de interrogação ao lado da passagem. Você deve gostar do que está lendo neste estágio – a diversão irá realmente te ajudar a guardar o que você ler mais do que se obrigar a ler tomos empoeirados sobre alquimia (a menos que você ame alquimia, é claro!)

SIM… comece um diário. Você pode mesmo chamá-lo de “Livro das Sombras”, se você quiser. (Ele pode ser um caderno com divisórias, o que te permitirá criar diferentes seções.). Escreva tanto as coisas que você achou de interessante quanto o que você gostaria de saber mais.

SIM… Olhe a Natureza. A Bruxaria e a maioria dos outros Caminhos Pagãos são chamadas de religiões “centradas na terra”. O que a Natureza está lhe dizendo? Leve para a sua casa algumas pedras, galhos de árvores e outras coisas que atraírem a sua atenção. Agora pergunte a si mesmo – POR QUE você trouxe tudo isto para casa? Escreva a sua resposta no seu caderno.

SIM… organize-se. Concentração é uma habilidade importante em Magia. Discipline-se a escrever regularmente o seu diário e a anotar o que você achar que vai ajudá-lo a desenvolver a sua concentração.

SIM… aprenda a fazer perguntas ESPECÍFICAS a outras Bruxas e Pagãos quando você precisar de ajuda. Pergunte a si mesmo algumas coisas também. “O que eu acho que é Bruxaria? O que nela tem algum significado para mim?”

SIM… diga a verdade. Pode uma bruxa experiente perceber se alguém realmente “sabe muito”? Sim, elas podem e muito rapidamente! Seja honesto sobre o que você sabe e o que você não sabe.

SIM… passe algum tenho sozinho para pensar cuidadosamente sobre o que você sente e o que você quer de si mesmo. Algumas pessoas à princípio pensam que a Bruxaria irá capacitá-las a mudar outras pessoas ou alguma circunstância. Mas será VOCÊ que vai mudar ao explorar este Caminho. Você realmente QUER mudar?

NÃO… vá rápido demais. Você ainda não se comprometeu com nada. Você está fazendo pesquisas sobre um assunto que te interessa a um nível pessoal. Pular para dentro de um grupo neste estágio pode atrasar o seu desenvolvimento mais do que ajudá-lo. Você precisa descobrir aonde VOCÊ está indo antes de seguir as pegadas com alguém mais.

NÃO… se desencoraje. Às vezes é muito difícil “continuar sozinho”. Mas a Arte é feita de indivíduos que trazem algo de valor para o Caminho – assim como recebem benefícios dele. Muitos “veteranos” tem uma “atitude de avó”. Você sabe, aquilo de “quando eu tinha a sua idade, eu tinha que andar três milhas até a escola todos os dias… na neve… sem botas… levando a minha irmãzinha… e um feixe de lenhas…” Bem, de certa forma isso é verdade. ERA muito mais difícil ser uma bruxa algumas décadas atrás. Então, seja complacente se eles não estão dispostos a lhe dar toda a sua lenha que foi difícil de coletar em uma bandeja… talvez você tenha que andar uma milha ou duas para conseguir o que quer… na neve… sem botas…

NÃO… peça para entrar em um coven ainda. Um coven é grupo intimamente unido trabalhando junto. É um processo difícil criar uma unidade mágica efetiva. Muitos coven não estão procurando por novos membros, pois a cada vez que uma nova pessoa entra no grupo, leva tempo para que a unidade seja reajustada. Há alguns “covens” virtuais que estão dispostos a aceitar novos membros. Se você olhá-los como um “exercício de treinamento”, você pode aprender algumas coisas. Pergunte às pessoas na Internet.

NÃO… tenha medo só porque você não faz parte de um grupo. Muitas, muitas bruxas acabam descobrindo após muitas tentativas e erros que elas na verdade PREFEREM trabalhar sozinhas. Tradicionalmente, a bruxa ERA solitária… e muitas ainda o são por escolha. Freqüentemente, bruxas solitárias se reúnem para conversar e trocar informações e então voltam felizes para a sua prática solitária. Você PODE fazer um pouco de cada coisa.

Parte 2 – A Fase de Exploração:

Você leu alguns livros, tomou toneladas de notas e escreveu fielmente o seu Livro das Sombras ou diário. Você achou algumas fontes na Internet e talvez tenha mesmo perguntado a algum pagão algumas daquelas perguntas pegajosas que têm te aborrecido ultimamente. E agora? É aqui que você começa a exercitar um pouco a sua ponderação. Uma vez que você começou a separar as coisas que você decidiu que não são para você e a abraçar as coisas que você SENTE que são certas, você pode tomar algumas decisões sobre em que tipo de grupo você no final das contas se sentiria confortável. (E muitos buscadores ainda sentem que neste ponto eles QUEREM achar um grupo.).

– O círculo traçado com a espada, os incensos fumegantes a as velas tremeluzentes te atraem? Ou você prefere simplesmente se sentar e deixar o seu coração falar?

– Você é mais introvertido ou extrovertido? Deixando de lado grandes sonhos em se liderar um enorme ritual público, você se sente confortável AGORA MESMO para falar a grandes grupos de pessoas? Ou você prefere a companhia de apenas alguns amigos íntimos?

– Você gosta de pensar bem nas coisas antes de tomar uma decisão? Ou você é mais espontâneo e sempre se apressa a fazer escaladas de montanhas ou rafting?

– Quais são as razões pelas quais você gostaria de fazer parte de um coven ou grupo – e que tipo de grupo seria esse?

Perguntar a si mesmo estas e outras perguntas similares o ajudará a tomar decisões. Você também pode começar a fazer técnicas de visualização neste momento. Comece a ver-se nas lendas de heróis e heroínas míticos. Você visualizar a si mesmo fazendo os rituais e círculos que você leu. Imagine como seria ser membro de um coven – rindo ao correr nos bosques a caminho da fogueira. O que estas imagens e cenários lhe fazem sentir? Seja honesto. Ninguém está olhando sobre o seu ombro agora.

Mais importante do que tudo, o quanto confortável VOCÊ se sente pesquisando este Caminho? Ele combina com você? Não com quem você gostaria de ser… não com quem você gostaria que as pessoas achassem que você fosse… mas com quem você é hoje. Pense muito sobre isso. Isto irá poupá-lo de muita desilusão no futuro. Você pode começar a adquirir um instrumento ou dois ou a pensar em fazer o seu altar. Comece comprando uma grande quantidade de velas e incenso. Passe pelas lojas de ervas e dê uma olhada nos catálogos de itens mágicos. Você pode até mesmo comprar algumas coisas. Você está começando a realmente tomar algumas decisões concretas sobre o que você sente por dentro. Você está “explorando” novas possibilidades.

Os “Sins” e “Nãos” da Fase de Exploração…

SIM… continue a ler, estudar e tomar notas no seu diário ou Livro. Por que você escolheu este Athame que comprou e não uma outra varinha que você viu? Por que você prefere sândalo a jasmim? Seria bom você esconder o seu altar quando a sua avó te visitar?

SIM… comece a pensar sobre que Caminho te atrai… Celta? Egípcio? Druida? Não consegue se decidir? Talvez um Caminho mais eclético?

SIM… Entenda que você será contestado assim que começar a falar e interagir com outros pagãos. É nosso hobby. E isso faz com que você pense sobre o que você diz acreditar. Isso irá lhe mostrar muito sobre o nosso compromisso com o Caminho que você escolheu para si mesmo.

SIM… Tenha sendo de humor. Isso põe as coisas em outra perspectiva. Você irá rir de si mesmo a vida inteira quando olhar para trás e lembrar dos seus primeiros dias na Arte. Todos nós rimos. Nós estamos apenas aprendendo quando começamos e não éramos sempre muito felizes nas nossas primeiras tentativas. (Eu estou rindo agora mesmo apenas de lembrar sobre a primeira que eu tracei um círculo!). Mas nós certamente aprendemos e vamos aprender ainda mais. E desde que todos estão continuando a aprender a cada dia, você sempre terá do que rir!

SIM… “Fale pouco e ouça muito”. Esconda-se em saldas de bate-papo. Espreite um cyber-círculo. Verifique na sua área a existência de círculos abertos e workshops. Mantenha os seus olhos e ouvidos abertos… As oportunidades para se aprender estão em todo lugar.

SIM… Continue a fazer perguntas ESPECÍFICAS. É mais fácil agora que você já tem algum conhecimento real em mãos, não é? Ao invés de simplesmente dizer “eu não sei nada sobre isso!”, você pode perguntar “bem, eu gostara de saber mais sobre ISSO”. Ao menos as respostas começarão a fazer sentido.

SIM… comece a pensar sobre os Deuses e rituais. Quais dos Antigos lhe dizem algo? Quem tipo de relacionamento você teria com uma Deidade da sua escolha – ou com Aquele que escolheu VOCÊ?! Quais são os símbolos associados com estas Deidades. Conheça os Seus mitos.

NÃO… vá depressa demais. Todas as lições realmente valiosas levam tempo para serem integradas ao seu espírito. A mente é normalmente a última a aprender! Isso porque o seu subconsciente aprende através de sonhos, visões e símbolos enquanto que a sua mente consciente fica lutando com as palavras. Continue a passar tempo sozinho para permitir que todos os seus novos sentimentos e pensamentos se tornem claro. Dê uma volta e aproveite a vida!

NÃO… ponha todos os seus ovos em apenas uma cesta. Mesmo que você tenha um autor favorito, continue a ler outros pontos-de-vista. Mesmo que você respeite uma determinada Bruxa ou Pagão, continue a ouvir outras vozes. Leia sobre a última “teoria da conspiração”. Pode parecer ridículo, mas isto treina a mente para estar a procura de alternativas. (Mas se você for abduzido por alienígenas, não fale da gente para eles!).

NÃO… fale tudo o que você sabe e não finja saber algo que você não sabe. Ser totalmente honesto com as outras pessoas pode ser difícil, mas é essencial ser honesto consigo mesmo. Mentiras desperdiçam energia.

NÃO… fique frustrado porque você AINDA não descobriu como entrar em contato com um coven. Isto virá depois… se ainda for o que você quer.

Parte 3 – A Fase do Começo da Prática

Antes de começar a próxima seção, talvez seja útil fazer um pequeno resumo. Se você esteve trabalhando na “Fase de Interesse” e na “Fase de Exploração”, você provavelmente estará familiar com os seguintes conceitos e terá conhecimentos rudimentares em:

  1. A história básica da Bruxaria e as suas origens culturais.
  2. Algumas diferentes tradições e modos de se praticar a Bruxaria hoje.
  3. As orientações éticas básicas, como o Conselho Wiccano e a Lei Tríplice.
  4. Uma visão geral sobre o karma e a reencarnação (ou transmigração).
  5. Uma compreensão sobre como a Magia funciona.
  6. Nomes e aspectos das Deidades.
  7. Os elementos e as correspondências.
  8. Os instrumentos básicos da Arte e o seu uso no trabalho ritual.
  9. Algumas formas de divinação, visualização e técnicas de meditação.
  10. Folclore e mitologia.

Ótimo! Esta é a base sobre a qual os seus estudos posteriores irão se apoiar e crescer. Ao longo do Caminho, você vai parar muitas vezes para ponderar sobre novos materiais e visões. Lembre de ir com calma e refletir muito sobre estes o que estes conceitos significam pessoalmente para você. Novamente, é muito importante permitir que estas novas idéias se tornem integradas com o seu espírito. Esta é a única forma para que elas se tornem “reais” para você. Elas se tornam parte de quem você é, de como você pensa e do que você sente. Um dos modos de ajudar este processo a acontecer é através da “prática.”

O começo da fase de prática:

Há grandes chances de que você já tenha começado a “brincar” um pouco com algumas das técnicas de trabalho ritual. Mesmo que você só tenha começado isso na sua mente, você está começando a sentir o surgimento de um desejo de realmente FAZER os trabalhos sobre os quais até agora você apenas leu ou ouviu. Por onde “começar”? Você vasculhou os seus livros e achou algum ritual que lhe atraiu? Você tem alguma necessidade específica na sua vida neste exato momento? O que você anotou no seu Diário ou Livro das Sombras que você sublinhou como importante ou particularmente relevante? O que VOCÊ sente?

Você irá notar uma grande quantidade de ênfases e “sentimentos” ao longo destes artigos. O que estes “sentimentos” tem a ver com tudo isso? Bem, Carl Jung falou sobre isso muito melhor do que eu poderia:

“Os sentimentos lhe informam sobre o valor das coisas. Sentimentos lhe dizem, por exemplo, se algo é aceitável ou não. Eles dizem se algo é VALIOSO para você. Eles são, assim como o pensamento, uma função racional.”

Comece do começo:

  1. Procure pelo SIMBOLISMO – a mente subconsciente trabalha através de figuras e símbolos. É por isso que o trabalho “interno” que você faz é o ponto de partida de toda a Magia. Dê uma olhada nos seus instrumentos e objetos mágicos. Escolha um ou dois aleatoriamente. Toque-os. Segure-os em suas mãos. Feche os olhos. O que eles estão “dizendo” ao seu eu interior? Que imagens eles trazem e que memórias eles desencadeiam?
  2. Você está usando a sua IMAGINAÇÃO – você não “inventa coisas” quando usa a sua imaginação. Ao menos não no sentido que a maioria de nós acredita. Se você alguma vez na vida já foi censurado por “sonhar acordado” na sala de aula ou na sala de jantar, você talvez tenha que reaprender a “dar-se a permissão” de destravar este poderoso instrumento novamente. Permita-se dar alguns “vôos de fantasia” a cada dia. Imaginação é a habilidade de usar a sua mente criativamente. A palavra “criativa” está ligada à “criação”. Na verdade, você está criando o que você imagina. Assim como um escultor tem uma imagem do seu trabalho em sua mente e então procura produzir a imagem a partir do material físico que ele tem à mão, você cria magia a partir das imagens que surgem como resultado de suas meditações e desejos. Você já usou a sua imaginação hoje?
  3. Agora junte o simbolismo e a imaginação. Que símbolos vêm à sua mente e o que a sua imaginação faz com estas imagens? Faça uma pergunta e veja se as imagens mudam ou tornam-se mais claras. Não se surpreenda com aonde você pode chegar. Este é o “playground” do seu espírito aonde tudo é possível. Se você “acordar” com um susto e perceber que você passou 20 minutos sonhando acordado, você está realmente pegando o jeito!
  4. O próximo exercício será o seu primeiro passo do reino mental/espiritual ao reino físico/espiritual. É aqui que você começa a realmente FAZER O TRABALHO. Você começará lentamente e subirá sobre os passos anteriores. Não tenha pressa neste processo. Isto é muito importante. Deixe-me explicar um pouco.

Você se lembra de uma história favorita de quando era criança que você nunca se cansava de ouvir? Você sabia o livro inteiro de cor. Parte do “magia” do livro era que você SABIA a história inteira de cor. E lembre-se de como você corrigia o leitor da história se eles tentassem pular uma parte ou mudar as palavras. A história para você era um ritual. Recontá-la da mesma forma várias e várias vezes era importante para você. Pois não havia surpresas ou mudanças, você podia relaxar e realmente “entrar” para dentro da história na sua… gasp!… imaginação. (Não diga à sua avó, mas ela na verdade foi a sua primeira professora de Bruxaria!)

Os gestos, os instrumentos e trabalhos para o começo da sua prática ritual devem ser exatamente os mesmos a cada vez que você fizer os rituais durante a Fase do Começo da Prática. Esta repetição treina a sua mente subconsciente a lembrar o que virá depois. O subconsciente é como uma criança que quer ouvir a história da mesma forma várias e várias vezes. O “ritual” – repetido à exaustão – concede um ambiente seguro e confortável para a sua imaginação e elementos simbólicos se expandirem e crescerem. Você terá muito tempo para “sonhar acordado” depois.

Os “Sins” e os “Nãos” da Fase da Prática

  • Faça o esquema básico de ritual mais ou menos assim:
  • Limpando a área.
  • Preparando o altar (nada muito elaborado, apenas alguns dos seus instrumentos favoritos). Acendendo as velas.
  • Traçando o círculo.
  • Saudando os elementos.
  • Saudando os Deuses.
  • Afirmando o Objetivo do Ritual.
  • Trabalho mágico ou devoção.
  • Elevando a energia. Liberando a energia.
  • Agradecendo aos Deuses.
  • Agradecendo aos elementos.
  • Fechando (ou abrindo) o círculo.
  • Comendo o banquete!

Há formas muito mais simples ou muito mais elaboradas de se fazer um ritual. Muitas Tradições têm os seus próprios formatos. Mas se você souber como fazer este ritual básico, você ficará muito à vontade em qualquer círculo em que você compareça.

SIM… Comece do começo da lista acima. Tome notas de cada passo no seu diário assim que você começar a planejar o seu ritual. Como você vai limpar a sua área de trabalho? Com sal e água? Vassoura? Incenso? O que você vai colocar sobre o seu altar? (Fazer uma lista disso primeiro assegura que você não vai esquecer nada…. “Alguém aí tem fósforos?” é o “ooops” mais clássico!).

SIM… passe algum tempo sentando calmamente e centrando-se antes de começar. Seja honesto em relação aos seus sentimentos. Você está excitado… assustado… nervoso? Isto é normal. Ritual é uma coisa importante e não é para se fazer um levianamente. O.K.? Agora você pode começar, mas…

SIM… Diga aos Antigos que você está praticando. Embora eles já saibam disso (e estão dispostos a ajudá-lo), isso será bom reassegurar a você mesmo esta afirmação em caso de você acabar com a sensação de que “fez algo errado”. Você não fez. Você está “praticando” e praticar envolve uma certa quantidade de tentativas e erros. Ninguém “lá em cima” está rindo de você.

SIM… faça cada passo lentamente e com cuidado. Deixe que os símbolos falem ao seu eu interior. Dê-se algum tempo entre cada passo para sentir como o ritual o está afetando se alterando o ambiente. Quando você se centrar, procure por respostas… tenha os ouvidos abertos aos conselhos… ouça a si mesmo… ouça o telefone que está tocando porque você esqueceu de tirá-lo do gancho…

SIM… ouça. Nós perguntamos certas coisas e então freqüentemente nós não nos damos tempo para ouvir as respostas. Escreva tudo no seu diário. Rabisque as figuras que você receber em meditação nas margens. Estes símbolos serão importantes mais tarde.

SIM… repita este mesmo ritual básico à exaustão. Ao invés de tornar-se entediante, você provavelmente vai achar que ele se torna MAIS significativo a cada vez que você o fizer. E a criança interior da sua mente subconsciente vai estar amando isso! (Obrigado, vovó!).

SIM… continue a repetir as primeiras fases novamente. Nós estamos constantemente aprendendo e “voltar às bases” é sempre uma boa idéia.

NÃO… se preocupe com o que você vai dizer. Diga o que está no seu coração. Use uma linguagem simples – lembra da “criança”? – e LEMBRE de tomar fôlego entre as frases. Você “alterar a sua consciência” e não perdê-la!

NÃO… faça juramentos ou dedicações para toda a vida aos Antigos. Você não tomou esta decisão ainda. Você está ainda tentando descobrir se a Bruxaria é o Caminho certo para você. Esta é uma das mais importantes decisões que você fará na sua vida. Dê a ela o respeito e a consideração que ela merece.

NÃO… tenha medo. Todos aqueles filmes de Hollywood podem tê-lo tornado um pouco apreensivo a começar a prática ritual. Nada do que acontece nos filmes acontecerá a você. Você fez cada passo lentamente e com muita cautela. É somente quando alguém tenta ir a lugares para os quais ele não está preparado que a situação se torna perigosa. Por isso que os orientadores enfatizam que você PRECISA ir devagar. Você LEVOU o tempo necessário para se preparar e fazer todos os passos na ordem, não levou?

NÃO… faça o ritual nem muito freqüentemente nem só de vez em quando. Formule uma agenda – como, por exemplo, uma vez por semana – e siga essa rotina por algum tempo. Se você realmente deseja fazer alguma coisa diariamente, um simples ritual com velas de manhã ou à tarde estará ótimo. Comece a pensar sobre as fases da Lua, os Festivais e outras datas para se fazer o trabalho ritual. A Bruxaria é baseada no “ritmo” da Natureza e este será o próximo passo…

Parte 4 – A Fase da Prática dos Ritmos da Natureza

Como você está indo até agora?

As duas primeiras lições devem ter-lhe ocupado por cerca de seis meses de estudo e prática (se você trabalhou nelas diligentemente). Você deveria agora estar também familiarizado com a prática do ritual básico da lição anterior. Lembre que você realmente tem que FAZER a lição anterior – não apenas lê-la, sonhar com ela ou visualizá-la. Levante-se, pegue os seus instrumentos, acenda as suas velas E VÁ FAZÊ-LO!

“O seu esforço requer que você responda ‘sim’ ou ‘não’.”

Um professor sempre poderá distinguir se uma pessoa que vem lhes consultar fez o trabalho anterior. A primeira vez em que um estudante fizer um ritual ou participar de um com outras pessoas deixará claro que se ele(a) tem ou não experiência. Se você fez o trabalho, isto não significa que você ficará nervoso na primeira vez que participar de um ritual com outras pessoas. Mas você ficará impressionado de como este nervosismo irá passar rapidamente ao longo do ritual. O seu espírito e a criança interior VÃO lembrar de todas aquelas seções práticas e logo você estará se divertindo muito com tudo!

Ao longo do caminho, LEMBRE-SE de quatro coisinhas:

  • A vida está sempre mudando. Nada permanece o mesmo.
  • Saiba o que você deve fazer. A experiência requer ação.
  • A qualidade de cada experiência torna-se a substância da sua sabedoria.
  • Sim, haverá um teste no seu caminho. SEMPRE haverá um teste!

OK, e agora?

“O que está atrás de nós e o que está a nossa frente são questões insignificantes comparadas ao que está dentro de nós.” – Ralph Waldo Emerson

Ritmos da Natureza, Ritmos da Vida:

Os Caminhos Neo-pagãos que estamos discutindo – incluindo Wicca e Bruxaria – são chamados de religiões “centradas na Terra”. Os rituais e práticas seguem as mudanças sazonais da Terra. Alguns Caminhos usam os oito festivais da Roda Wiccana da Vida; outros aderem ao mais tradicional calendário dos Quatro Festivais de Fogo. Alguns grupos desenvolveram os seus próprios ciclos, de acordo com os seus sistemas de crenças. Que calendário você vai usar? Quando você tiver decidido que calendário de festivais que você incorporar à sua vida, leia tudo o que você puder sobre ele. Escolha um festival por vez. Procure por fontes, descrições e mitos relacionados a cada Festival. Pense sobre cada um tanto como um evento especial quanto como um “marcador” do ano.

Durante o Estágio dos Ritmos, você irá explorar o ano através dos ciclos da Natureza. E sim, esta fase REALMENTE dura um ano inteiro. Não há outro caminho. Você vai começar a botar a mão na massa um pouco mais durante este período – fazendo novos contatos, tomando algumas aulas, comparecendo a eventos públicos – mas a exploração pessoal do Ciclo Rítmico dos Festivais devem ser o seu foco primário. Por que? É neste ciclo que você vai aprender muito mais sobre você mesmo e sobre o seu lugar no Universo. Tudo o que existe é uma vibração energética. Algumas coisas têm uma freqüência mais alta, outras têm uma freqüência mais baixa. Você vai aprender a “sentir” as mudanças vibracionais ao seu redor ao acompanhar as estações do ano vindo e indo (esta é uma habilidade essencial em Magia!).

Você fica mais agitado por volta de abril ou maio? Olhe para a terra. Ela também está excitada nesta época do ano! Botões de flores estão se abrindo nas árvores e as plantas estão pela primeira vez brotando da terra como se perguntassem “é seguro sair agora?”. Você se sente particularmente renovado o ar ligeiro do Outono? Observe os esquilos correndo e cavando buracos no solo para esconder as suas nozes. Ouça as abelhas que voam de uma planta para outra fugindo da geada que está vindo. “Rápido, rápido, rápido”, parecem murmurar as folhas secas das árvore (tenho certeza que você captou a idéia).

Padrões

“Eu aprendo indo aonde eu devo ir.” – Theodore Roethke.

Muitos pagãos acreditam em reencarnação ou transmigração da alma. Todas as coisas na Natureza nascem (germinação), crescem, amadurecem, reproduzem e então envelhecem e morrem. O ciclo começa novamente. Eis porque a reencarnação faz sentido para a maioria dos pagãos. Ao se observar o Ciclo Rítmico, nós refletimos neste processo e nós acabamos por pensar que isso “parece certo”. Isto não é uma surpresa. É “natural”, não é? Você tem um lugar neste ciclo. Você provavelmente não criado para pensar desta maneira. A maior parte dos aspirantes a neo-pagãos não foram. Este ano de estudos irá mostrar a você não apenas aonde você se encaixa neste ciclo da Natureza, mas como o seu envolvimento ativo nestes ciclos pode mudar a sua vida. Quando você compreender e trabalhar com os ritmos naturais no mundo ao seu redor, você irá entender o que significa ser um pagão. Aqui estão alguns dos motivos pelos quais o “aprendizado dos ritmos” – e possivelmente a reencarnação – funciona:

– O aprendizado experimental efetivo irá afetar as estruturas cognitivas do aprendiz, suas atitudes e valores, percepções e padrões de comportamento.

– As pessoas irão acreditar mais no conhecimento que elas descobrirem por si mesmas do que no conhecimento dado pelos outros.

– O aprendizado é mais eficaz quando é um processo ativo do que quando é um processo passivo.

– Aceitação de novas teorias, atitudes e padrões de comportamento não podem ser produzidos por aproximação fragmentária.

– Requer-se mais do que informação para mudar teorias, atitudes e padrões de comportamento.

– Requer-se mais do que experiência de primeira mão para gerar um conhecimento válido. Além da experiência, precisa haver um sistema teórico que o experimentador testa e uma reflexão pessoal sobre o significado da experiência.

(Os princípios acima vieram do trabalho de Kurt Lewin, um dos mais importantes fundadores da psicologia social, que influenciou o desenvolvimento do movimento de dinâmica de grupos no começo dos anos 40.)

Eu adicionaria um sétimo ponto – divirta-se!

Procure objetos da estação para o seu altar. Pense em cores para as toalhas e os robes. Faça uma peça para cada Festival. Escolha uma história mítica e a siga através do ano. Faça uma dramatização! Vista-se! Dance! Cante! Escreva um poema! Faça uma comida! Adote um “totem” animal a cada estação do ano. Faça uma caixa especial para as decorações específicas de cada Festival. (Todo Festival parecerá com Yule quando você abrir a caixa no ano seguinte.)

Por que você está fazendo isso tudo?

Transformação!

A transformação começa de dentro. Muitas pessoas voltam-se para uma religião – para a magia! – na tentativa de mudar as coisas que eles perceberam que estão obstruindo o caminho da sua “verdadeira felicidade”. Muitos feitiços de amor já foram feitos mais para aliviar a solidão interior de uma pessoa do que como um real desejo de se ter um relacionamento igualitário. O trabalho da transformação interior é difícil, confuso e qualquer coisa menos instantâneo. Isto explica a atual procura desesperada pelo “feitiço certo” por muitos dos novos buscadores da Arte. Esperando de alguma forma pular o real trabalho envolvido no desenvolvimento de um modo mágico de vida, eles esperam por alguma coisa parecida com um efeito especial hollywoodiano. “Apenas digas as palavras mágicas…” e os seus problemas de insegurança, pesares e problemas monetários vão acabar! Simplesmente não é assim que acontece. Desculpe, Sr. Spielberg… Enquanto você trabalha através da Roda do Ano, você aprenderá mais sobre si mesmo.

  1. Respeito – tanto pela a interconexão da Vida como um todo, como por você mesmo.
  2. Pensamentos – Como você pode mudar a sua vida ao mudar os seus pensamentos.
  3. Exame – Olhando dentro de si mesmo pelas respostas e soluções.
  4. Liberação – Deixando para trás os antigos hábitos e emoções que não nos servem mais.
  5. Síntese – Como um indivíduo pode também ser parte do todo.
  6. Criatividade – Confiando na sua intuição para ajudá-lo a fazer escolhas viáveis.
  7. Ação – Aprendendo como agir ao invés de re-agir.
  8. Amor – sendo capaz de dar e receber amor saudável.
  9. Forma – Coragem interna para superar dificuldades sem nada prejudicar.
  10. Transformação! – A percepção de que apenas você pode mudar o que não está funcionando na sua vida. Apenas você pode fazer a sua vida o que você quer que ela seja. E apenas você – através do trabalho difícil, confuso e longo – pode fazer a sua Vida mágica ser uma Vida de Amor, Luz e Poder!

“Os grandes erros dos aprendizes, nos quais eles são perdoáveis, e de muitos professores, que ensinam sem sabedoria, é que eles associam o Ocultismo mais às práticas do que à PRÁTICA. Eu ensino a VIDA da concentração e da meditação…”

– P.G. Bowen

Parte 5 – Firmando um Compromisso

O Quê? Você AINDA está aqui?

Você provavelmente notou que eu fiz poucas menções aos Deuses e Deusas nesta série de artigos. De fato, anteriormente eu o acautelei a NÃO firmar um compromisso com os Antigos ainda. Há uma razão real para isto e agora é a hora de discutir este assunto. Tem havido um pequeno, mas insistente, clamor ultimamente daqueles que especular porque ninguém está ensinando as coisas mais “profundas” da Arte. A primeira razão é a de que estes são assuntos difíceis de serem escritos. A segunda razão é a de que é ainda mais difícil em realmente trabalhar com eles. A terceira razão? (Eu sou celta – eu penso em três!). Estes são os pontos que irão determinar se a Bruxaria é realmente a religião certa para você. Você pode achar que já tem certeza de que é. “Claro, a Bruxaria é para mim! Por que eu a estaria estudando por um ano e um dia se eu não achasse que este era o meu Caminho?”, você pode responder. Bem, acalme-se e não faça ainda um voto tão apaixonado. Alguns momentos a mais não farão nenhuma diferença… ou farão? O que você tem FEITO até agora é estudar e praticar. O que você tem APRENDIDO é o que todo este estudo e prática significam para VOCÊ. Você está formando o seu próximo senso de…

Integridade:

O que é “Integridade”? De acordo com o Oxford English Dictionary, “integridade” significa “a condição de não ter nenhuma parte ou elemento faltando; estado de não-divisão e continuidade; totalidade material; completude; plenitude.” Ou melhor ainda, “a condição de não estar danificado ou violado; sem distúrbio e não corruptível; uma condição de estabilidade.”

É isto que você tem aprendido nas lições passadas. Você tem feito exercícios que têm te ajudado a formar a sua própria “capacidade de julgamento”, sua própria “condição de estabilidade”. Você tem trabalhado para construir a sua própria integridade. Você tomou consciência do que é que você acredita antes de tomar uma decisão sobre o que é certo ou errado para você. Muitos problemas que hoje existem na comunidade pagã nunca teriam surgido se mais pessoas tivessem tomado um tempo e feito um esforço honeste para descobrir o que a Bruxaria realmente era para eles ANTES deles firmarem um compromisso com ela. Ao invés disso, eles encontram-se em situações aonde eles são forçados a, 1. admitir que eles fizeram uma escolha errada, ou 2.tentar transformar a religião para que ela se ajuste a ele. Ao invés da Bruxaria transformá-los, alguns tentam transformar a Bruxaria para que ela se adapte às suas necessidades e desejos. Eles estão “continuamente reinventando” a Bruxaria e a Wicca para adaptá-las a si mesmos!

“Uma promessa é uma promessa”…

Se você decidiu que a Wicca é a sua religião de escolha, você se comprometeu a seguir seus princípios básicos. Um destes princípios é, claramente, o Conselho Wiccano. Se você está prometendo a agir de acordo com os preceitos do “Se a nada prejudicar, realize a sua vontade”, você já calculou o que faria se uma pessoa atacasse você? Se atacasse o seu filho? “A nada prejudicar” significa que você deva se tornar vegetariano? Você acha que é mesmo possível não prejudicar a nada? Bem, é isto que você está prometendo, não é?

A Bruxaria Tradicional não tem um “Conselho” próprio, mas as bruxas eram conhecidas como “Velhas Sábias” por uma boa razão. Elas eram respeitadas. Elas eram justas. Elas eram curandeiras. Elas ajudavam a comunidade. Elas mudavam as coisas. Elas tomavam boas decisões. Elas não prometiam o que elas não podiam dar e elas davam o que prometiam. Ainda é assim nos dias de hoje.

Muito frequentemente as pessoas se comprometem na afobação e depois gastam incontáveis horas justificando porque eles tiveram que quebrar aquela promessa “apenas uma vez” por causa de “condições além do seu controle”. Elas tiveram as suas razões – muitas e muitas razões. Mas a verdade é que elas não se deram tempo suficiente para pensar na sua promessa ANTES de fazê-la. Se você não pensou e refletiu direito tanto nos resultados quanto nas obrigações contidas na promessa, então não prometa nada! E principalmente, não aos Deuses…

Integridade requer três coisas:

  1. A habilidade de discernir o que é certo do que é errado.

Isto requer reflexão, tempo e esforço. É um processo difícil, mas um que não pode ser evitado por ninguém que realmente queira ser uma pessoa espiritualizada. Como é mais fácil encontrar uma outra pessoa que nos diga o que fazer, o que ler, o que pensar e como agir! Mas então, quem estaria realmente vivendo a sua vida? Quem estaria no controle? Quem está controlando os bastidores? Se você acha que não iria gostar de ser um fantoche, então você simplesmente deve descobrir aonde estão os seus limites, o que você acredita que é o comportamento correto e o que você mesmo está querendo ou não fazer. Se há o certo ou errado “absolutos” é algo com o qual os teólogos e os filósofos têm discordado ferrenhamente por séculos. De fato, a idéia de que eles poderiam estar errados afasta as pessoas de querer tomarem uma posição sobre o que quer que seja!

A possibilidade de que você possa estar errado é diminuída pelo estudo aplicado, investigação e reflexão. É claro, você deve ser honesto ao que você acredita. Mais tarde você descobrir que você estava honestamente errado! Entretanto, aproximar-se de cada assunto com uma mente aberta; examinar todas as possibilidades, responder todos os “e se” irá ajudá-lo a entender melhor as coisas. Não esqueça disso, este é o processo mais difícil que você terá de fazer. A maior parte das pessoas e sociedades acreditam que algumas coisas são “mais” éticas do que outras. Você precisa descobrir a medida do seu próprio “quociente de justiça”. Você precisa trabalhar na criação do seu código pessoal de comportamento e ética. Aí então você pode distinguir a que religião, a que grupo, a que Caminho o seu código pessoal se adapta. E você pensava que simplesmente achar um coven era difícil! Achar o coven certo, o lugar certo, a religião certa pode mudar a sua vida para melhor. A escolha errada por se devastadora.

Se você não fez este trabalho, então você está basicamente deixando-se aberto para seguir qualquer coisa ou qualquer um – e a fazer qualquer coisa que eles te digam. A Bruxaria e a Wicca são religiões de poder pessoal e responsabilidade. Se você não deseja fazer o trabalho do discernimento e introspecção – de formular um conjunto de valores integrados para si mesmo – então a Bruxaria e a Wicca provavelmente não são para você.

Integridade significa fazer a coisa certa:

  1. Agindo de acordo com o que você discerniu, mesmo que a um custo pessoal.

Suponha que o professor com o qual você está estudando começa a introduzir assuntos ou comportamentos que você simplesmente não acha que são “certos”. Suponha que você agora que ter relações sexuais com ele é parte do trabalho de grupo. E se de repente este amável coven quiser que você faça um feitiço de morte contra outra pessoa que prejudicou o seu companheiro de coven? E aquela coisa do “a nada prejudicar”? E se você não deseja participar desta atividade? Mas e se, ao se recusar a participar, você não puder mais ser parte deste grupo? O que você fará? Você fez muito por esse grupo, gastou tempo e se esforçou em prol dele. Você talvez tenha até mesmo sido iniciado nele. Estas pessoas são seus amigos – talvez você tenha até mesmo as considerado como sua “família”. Agora você vê que está perdendo tudo isso e começando de novo. O grupo pode dizer coisas ruins a seu respeito, se você partir. Você pode perder seus amigos e o apoio deles. Você pode ter de decidir – você fica e se compromete com o seu próprio código de certo e errado? Você parte? Aonde estão agora a sua estabilidade, a sua capacidade de julgamento, a sua integridade?

A verdade é que muitos de nós não podem dizer que temos realmente integridade até que a nossa integridade seja testada. Fazer o que acreditamos ser o certo, que foi estipulado pelo trabalho duro de um discernimento reflexivo – mesmo quando isso se torna pessoalmente doloroso – nos diz se nós de fato temos integridade ou não. Eu não te disse que há SEMPRE um teste? Este é um. Haverá outros. Acostume-se com isso. Bruxaria e Wicca são religiões que requerem que as bruxas e wiccans sejam capazes de superar os desafios que a vida traz no seu caminho. Se você pode facilmente se descomprometer com os seus princípios éticos ou se pode virar as costas para o que você sabe ser a ação correta, então Bruxaria e Wicca não são para você.

Integridade significa manter os seus compromissos:

  1. Declare abertamente os seus compromissos.

Agora finalmente chegamos aos Deuses e Deusas! Você ainda acha que está preparado para ficar à frente deles e dedicar a sua vida, o seu coração e as suas mãos ao Seu serviço? Pois isso é tudo o que a religião da Bruxaria e da Wicca significa – SERVIÇO.

– Não significa ganhar poder – ainda que isso certamente fará parte da sua vida mágica! Significa habilitar outros a aprender maneiras de se fortalecerem.

– Não significa ter mais “ganhos pessoais” – ainda que você será beneficiado de maneiras inexplicáveis. Significa “dar mais” aos outros em Seu Nome.

– Não significa mudar os outros para que eles se adaptem a você ou satisfaçam a sua vontade – ainda que outros irão achar ótimo tê-lo por perto! Significa mudar a si mesmo, para que então você esteja melhor equipado para fazer o trabalho dos Antigos nesta Terra.

– Não significa ganhar fama – ainda que outros irão procurá-la. Significa estar à disposição de ajudar outros em necessidade.

– Não significa diminuir os outros – ainda que o que não estiver funcionando irá cair ante você. Significa animar os outros e criar novos e saudáveis sistemas.

– Não significa ganhos materiais – ainda que você vá sempre se sentir “rico”! Significa dividir o que você tem com o resto da comunidade.

– Significa manter as suas promessas, fazer o seu máximo, fazer o que é correto e para o bem de todos. Significa sinceridade, honra, verdade, cura, desprendimento e serviço.

– Significa acima de tudo respeitar os Nomes dos Antigos, mantendo os seus Caminhos, honrando as Suas crianças, cuidando da sua Terra e se comprometendo a levar a cabo quaisquer tarefas que Eles estabelecerem para você fazer. Significa Integridade – a Deles, a sua, a nossa.