ArtigosBruxariaMagia

Mulher, o caminho mágico

Desconheço a autoria

As pessoas deveriam se perguntar: Porque existe o machismo? Do que os homens tinham tanto medo para subjugar a mulher por tanto tempo? Por que mantê-las ignorantes? Qual o papel da religião dos séculos passados nisso? Quem comandava essas religiões? Algumas das respostas retiradas do livro: “O poder da Bruxa “- Laurie Cabot.

….. “De acordo com algumas tradições, Merlin aprendeu suas artes com a Deusa, disfarçada de Dama do lago, ou Viviane (Aquela que vive). Como Morgana, a Fada, ela foi convertida numa feiticeira perversa por autores cristãos, na esperança de desacreditar a crença céltica em Merlin…. Os principais sacerdotes e sacerdotisas dos celtas eram os druidas. A palavra druida é derivada do grego dryad, um espírito da natureza ou ninfa do carvalho. O termo era também aplicado as sacerdotisas de Ártemis e a Deusa da Lua das Amazonas…. As sacerdotisas druidas da Grã-Bretanha estavam divididas em três classes. A classe mais alta vivia em regime de celibato em conventos. Essas irmandades alimentavam as fogueiras sagradas da Deusa e foram assimiladas na era cristã como monjas. As outras duas classes podiam casar e viver nos templos ou com seus maridos e famílias.

Eram servas e acolitas nos ritos sagrados da Deusa. Com o advento do cristianismo, foram chamadas de Bruxas….. Os Deuses solares tornaram-se os heróis e as Deusas da Terra e da Lua passaram a ser as vilãs, e muitas das velhas histórias foram rescritas e revistas para refletir essa mudança de consciência. Em muitas delas a Deusa, ou o poder feminino, é identificada como uma serpente ou um dragão…. Essas histórias persistiram mesmo em tempos cristãos, onde encontramos São Jorge matando o dragão na Inglaterra e São Patrício expulsando as serpentes da Irlanda…. A mitologia sacra começou refletindo um dualismo que era provavelmente desconhecido em tempos neolíticos ou estava certamente relegado para um papel secundário no esquema das coisas. Sol e Céu opostos à terra e à Lua, a Luz oposta às Trevas, A vida oposta à Morte, o Masculino oposto ao Feminino. Antes todas as coisas eram parte da Grande Mãe…. Não era uma questão de Bem contra o Mal. Cada coisa tinha aspectos positivos e negativos, todos eles ingredientes necessários na Grande Roda da Vida Criada….”

Outra fase surpreendente do ensinamento das bruxas está descrito:

” Em alguns dos livros das escrituras judaico-cristãs que foram arbitrariamente rejeitadas do cânone oficial. Adão admite que Eva lhe é superior: “Ela ensinou-me a palavra do saber”. Num texto gnóstico, Eva é a Mãe de Todos os Viventes e foi quem criou realmente Jeová. Lê-se: “Ele desconhecia até sua própria Mãe…. Por ser tolo e ignorante de sua Mãe é que ele disse: Eu sou Deus; não existe nenhum outro além de Mim.”. Em algumas versões, Eva repreende e pune Deus por Seu cruel tratamento dos seres humanos. Bárbara Walker, autora de The Woman’s Encyclopedia of Myths and Secrets, diz: “Um dos segredos mais bem guardados do cristianismo era que a Mãe de Todos os Viventes foi a Criadora que puniu Deus”. As Bruxas consideram interessante que o nome de Jeová seja formado pelas quatro letras hebraicas Yod-He-Vau-He. A primeira, Yod, significa “eu”, as três seguintes significam “vida” e “mulher”. A versão latina dessas três letras é E-V-E. Por outras palavras, o nome de Jeová é feminino e significa: “Eu sou mulher, eu sou a vida”. Hoje, um cântico popular entre Bruxas baseia-se nessas letras antigas: “Io ! Evohe !”.