Para conhecer os Deuses
26 de fevereiro de 2017
BOS Gardneriano
1 de março de 2017
Mostrar todos

Alquimia

É realmente impossível descrever em pouco espaço todo conhecimento alquímico. Pela quantidade e profundidade do assunto isso se torna extremamente inviável. Porém a proposta aqui é disponibilizar algumas informações que podem servir de guia a quem se interessar pelo assunto. Assim, estarei descrevendo alguns textos que podem servir de base para uma pesquisa mais completa por quem estiver interessado nesse caminho.

Como tudo o que é considerado ‘oculto’ sempre exerceu uma enorme atração no ser humano, a Alquimia, também conhecida como A Arte Hermética, sempre exerceu um certo fascínio no imaginário das pessoas. Quantas são as pessoas que você conhece que já ouviram falar da famosa Pedra Filosofal, aquela que tem a capacidade de transformar o chumbo em ouro. E quantas são as pessoas que você conhece que já sonhou em conseguir uma. Isso é normal. Porém o que a maioria das pessoas não entendem é a filosofia por trás da história. Na sua maioria imaginam que seria uma pedra com aparência comum (ou não), que, ao entrar em contato com um objeto de chumbo, teria a capacidade de mudar seu peso atômico, transformando um metal sem valor em ouro.

A Alquimia, em sua história, já foi considerada uma fraude, onde quem a praticava não possuía qualquer credibilidade. Charlatanismo é o termo com que eram conhecidos os praticantes que não entenderam o verdadeiro significado daquilo que praticavam. Viam somente como uma forma de conseguir tirar dos incautos uma grande quantidade de dinheiro. Isso fez com que os verdadeiros Alquimistas buscassem se esconder e à sua Arte, mantendo suas descobertas, que poderiam ter mudado o rumo da própria humanidade, fechadas para seu pequeno grupo. Os verdadeiros Alquimistas sempre tiveram uma visão mais ampla do significado real da palavra Alquimia. Viam, e assim acontece até os dias de hoje, a Alquimia como uma forma de Medicina Universal, que tem na Pedra Filosofal a essência de sua própria mudança.

Dentro da Ciência, a Alquimia também teve um papel importante, pois serviu de base para que os chamados químicos pudessem ter um ponto de partida em sua busca de conhecimento. Quando começaram a surgir as publicações, principalmente aquelas de textos de Mestres reais e antigos, a porta que dá acesso à informação foi definitivamente aberta, permitindo aos cientistas uma busca da comprovação do que estava escrito. Quando os livros Alquímicos começaram a ser traduzidos e impressos, as indústrias que trabalham atualmente com componentes químicos, seja fazendo medicamentos ou outro qualquer, tiveram um importante crescimento. Esqueceram do real objetivo da Alquimia e passaram a ver somente o lucro, desconfigurando sua real essência. Felizmente existem aqueles que buscam promover em si mesmo as mudanças que a Alquimia pode proporcionar. E quando essas mudanças se fazem ativas, os verdadeiros Alquimistas buscam repassar seu conhecimento promovendo também uma mudança naqueles que se propõem a mudar.

A palavra Alquimia tem sua origem na língua árabe, al-kimia (al = Ser Supremo/Deus. Já al-kimia = Química de Deus), que tem o mesmo significado da palavra química. A diferença básica entre essa química e a química científica é que a científica se foca no corpo, enquanto a que se busca através desse conhecimento milenar é uma transcendental e espiritualista. Esse último tipo de Alquimia tem como real objetivo trabalhar e aperfeiçoar o corpo e o espírito com o auxílio da própria Natureza. Para que isso aconteça se utiliza de diversas técnicas que tem como objetivo final mudar algo nas pessoas, começando por si mesmo. Assim surgiu a figura dos Terapeutas Holísticos, que se utilizam de diversas técnicas diferentes, mas sempre com um mesmo objetivo: entender e, em alguns casos, manipular a matéria em suas mais diferentes nuanças. Só que meu objetivo, nesse artigo, não é falar sobre Terapeutas e Terapias, mas sim sobre os verdadeiros Alquimistas.

O Alquimista vê a matéria a ser trabalhada como uma combinação proporcional de determinados elementos para a formação de um outro. Os Grandes Mestres Alquimistas da antiguidade, diferente dos modernos, conseguiam trabalhar de forma interativa a medicina, a ciência, a filosofia e a astrologia. Mestres como Paracelso, Alberto Magno, Frei Basílio. Roger Bacon, entre outros, eram médicos, filósofos e astrólogos que, como Mestres, tiveram também seus discípulos a quem passavam seus ensinamentos verbalmente. Com o passar do tempo muita coisa se perdeu. Assim, para que essa Arte não sumisse de vez, alguns dos Mestres bem como seus discípulos resolveram deixar escritos para a posteridade. Assim surgiram os Livros Alquímicos, que era entendido somente por aqueles que seguiam essa Arte. Com a facilidade atual, muitos desses livros foram levados a público e podem ser encontrados, inclusive, em sites específicos da internet.

O maior detalhe é que, mesmo com a facilidade moderna, os Alquimistas ainda escrevem por meio de símbolos e, em muitos casos, através da imagem. Isso complica para aqueles que querem seguir esse caminho, pois se deparam com verdadeiros enigmas onde precisam usar de toda sua imaginação para tentar entender o que os autores originais e os Grandes Mestres queriam dizer. E, seja pelas dificuldades encontradas ou pela descoberta que não vão conseguir transformar o chumbo em ouro, muitos que buscam esse caminho acabam por desistir e partir para outra linha de conhecimento. Somente aqueles que se propõem a realmente aprender e seguir esse caminho é que acabam por encontrar sua Pedra Filosofal e seu Elixir da Imortalidade. Isso porque conseguem aprender rapidamente que, para se conseguir algo dentro da Magia, seja na Alquimia ou outra linha qualquer, precisam aprender desde o início a Arte da Paciência.

A Alquimia se difundiu com maior propriedade no final da Idade Média e seguiu firme até meados do século passado. Nobres, cavaleiros, reis, religiosos e filósofos fizeram parte desses que estudaram essa Arte, inclusive escrevendo tratados e buscando sua prática. Entre tantos famosos, encontramos Hermes Trismegisto, que era legislador, pastor e filósofo, além de escritor e estudioso da Arte. Suas obras mais famosas e mais difundidas são Corpus Hermeticum, que é uma compilação de diversos textos antigos e que representam a inspiração para o Hermetismo, e o Caibalion que reúne as sete principais Leis Herméticas. As sete Leis são:

  • Lei do Mentalismo: “O Todo é Mente; o Universo é mental”.
  • Lei da Correspondência: “O que está em cima é como o que está embaixo. O que está dentro é como o que está fora”.
  • Lei da Vibração: “Nada está parado, tudo se move, tudo vibra”.
  • Lei da Polaridade: “Tudo é duplo, tudo tem dois polos, tudo tem o seu oposto. O igual e o desigual são a mesma coisa. Os extremos se tocam. Todas as verdades são meias-verdades. Todos os paradoxos podem ser reconciliáveis”.
  • Lei do Ritmo: “Tudo tem fluxo e refluxo, tudo tem suas marés, tudo sobe e desce, o ritmo é a compensação”.
  • Lei do Gênero: “O Gênero está em tudo: tudo tem seus princípios Masculino e Feminino, o gênero manifesta-se em todos os planos da criação”.
  • Lei de Causa e Efeito: “Toda causa tem seu efeito, todo o efeito tem sua causa, existem muitos planos de causalidade mas nada escapa à Lei”.

É também creditado a Hermes Trismegisto o mais famoso texto alquímico, que representa, para muitos, a base desse conhecimento: a Tábua de Esmeralda ou como também é conhecida, Tábua Esmeraldina. Esse é um texto que deve ser estudado por todos aqueles que se iniciam nessa busca, nesse caminho. Segue o texto em Latim e sua tradução:

1 Verum sine mendacio, certum et verissimum: É verdade, certo e muito verdadeiro:
2 Quod est inferius est sicut quod est superius, et quod est superius est sicut quod est inferius, ad perpetranda miracula rei unius. O que está embaixo é como o que está em cima e o que está em cima é como o que está embaixo, para realizar os milagres de uma única coisa.
3 Et sict omnes res fuerunt ab Uno, mediatione unius, sic omnes res natæ fuerunt ab hac una re, adaptatione. E assim como todas as coisas vieram do Um, assim todas as coisas são únicas, por adaptação.
4 Pater ejus est Sol, mater ejus Luna; portavit illud Ventus in ventre suo; nutrix ejus Terra est. O Sol é o pai, a Lua é a mãe, o vento o embalou em seu ventre, a Terra é sua alma;
5 Pater omnes Telesmi totius mundi est hic. O Pai de toda Telesma do mundo está nisto.
6 Vis ejus integra est, si versa fuerit in Terram. Seu poder é pleno, se é convertido em Terra.
7 Separabis terram ab igne, subtile a spisso, suaviter, cum magno ingenio. Separarás a Terra do Fogo, o sutil do denso, suavemente e com grande perícia.
8 Ascendit a terra in cœlum, interumque descendit in terram et recipit vim superiorum et inferiorum. Sobe da terra para o Céu e desce novamente à Terra e recolhe a força das coisas superiores e inferiores.
9 Sic habebis gloriam totius mundi. Desse modo obterás a glória do mundo.
10 Ideo fugiet a te omnis obscuritas. E se afastarão de ti todas as trevas.
11 Hic est totius fortitudinis fortitudo fortis: quis vincet omnem rem subtilem omnemque solidam penetrabit. Nisso consiste o poder poderoso de todo poder: Vencerás todas as coisas sutis e penetrarás em tudo o que é sólido.
12 Sic mundus creatus est. Assim o mundo foi criado.
13 Hinc erunt adaptationes mirabiles quarum modus est hic. Esta é a fonte das admiráveis adaptações aqui indicadas.
14 Itaque vocatus sum Hermes Trismegistus, habens tres partes philosophiæ totius mundi. Por esta razão fui chamado de Hermes Trismegisto, pois possuo as três partes da filosofia universal.
15 Completum est quod dixi de Operatione Solis. O que eu disse da Obra Solar é completo.

Com a facilidade atual para se editar um livro, seja física ou virtualmente, uma gama enorme foi escrita sobre o assunto e tem enorme procura. Só se deve ter um certo cuidado com aqueles que não tratam o assunto com a devida seriedade e podem ser considerados como especulações. Procure, antes de mais nada, saber quem foram os Grandes Mestres e quais foram seus escritos deixados para a posteridade. Existem muitos. O mais complicado, porém, é o entendimento do texto em si, por isso se chama Arte Hermética. Ao final desse artigo você encontrará uma pequena lista que poderá te dar uma boa base de estudo. Se você optar por esse caminho tenha em mente sempre a pergunta: porque ser um Alquimista e o que eu busco com isso? Encontre essa resposta para você mesmo e siga em frente.

Livros para estudo

  • Ireneu Filaleto – Experiências sobre o Mercúrio Filosófico
  • Ireneu Filaleto – A Medula da Alquimia
  • Alberto o Grande – O Composto dos Compostos
  • Raimundo Lúlio – A Clavícula
  • Nicolau Flamel – O Breviário
  • Kamala Jnana – A Génese Alquímica
  • Kamala Jnana – A Obra de
  • Kamala Jnana – Apocalipse Revelação Alquímica por Jean de Clairefontaine
  • Kamala Jnana – Dicionário de Filosofia Alquímica
  • Rubellus Petrinus – A Grande Obra Alquímica
  • Franz Bardon – Escritos Herméticos (Encontrado na seção Livros)
  • Franz Bardon – Introdução aos Estudos Herméticos (Encontrado na seção Livros)
  • Franz Bardon – Princípios e Práticas de Elementoterapia (Encontrado na seção Livros)
  • S L Mac Gregor Mathers – Abramelin (Encontrado na seção Livros)

Os comentários estão encerrados.