Sobre a Iniciação – Scott Cunnigham

Xamanismo – Vivências
25 de fevereiro de 2017
Rituais
25 de fevereiro de 2017
Mostrar todos

Sobre a Iniciação – Scott Cunnigham

A maioria das religiões xamânicas e de magia utilizam algum tipo de cerimônia de iniciação pela qual uma pessoa se torna um membro reconhecido daquela religião, sociedade, grupo ou coven. Tais ritos indicam também a nova direção que a vida do iniciado está tomada. Muito tem sido feito, em público ou privativamente, sobre as iniciações Bruxas. Cada tradição da Bruxaria utiliza suas próprias cerimônias de iniciação, as quais podem ou não ser reconhecidas por outros Bruxos. Num ponto, contudo, a maioria dos iniciados concorda: uma pessoa só pode tornar-se um Bruxo se receber tal iniciação. Isto gera uma pergunta interessante: Quem iniciou o primeiro Bruxo?

A maior parte das cerimônias de iniciação não passam de ritos que marcam a aceitação da pessoa por um coven, e sua dedicação à Deusa e ao Deus. Por vezes, o “poder é passado” do iniciador ao noviço. Para um não-Bruxo, a iniciação pode parecer um ritual de conversão. Não é o caso. A Bruxaria não precisa de tais ritos. Não condenamos as deidades com as quais nos sintonizávamos antes de praticar a Bruxaria, nem precisamos voltar-lhes nossas costas. A cerimônia (ou cerimônias, pois muitos grupos praticam três ritos sucessivos) de iniciação são consideradas da mais alta importância pelos grupos que ainda praticam rituais secretos. Certamente, qualquer pessoa que deseje ingressar em um grupo do gênero deve passar por uma iniciação, parte da qual consiste em jurar jamais revelar seus segredos. Faz sentido, e é parte da iniciação de muitos covens. Mas não é a “essência” da iniciação.

Muitas pessoas acreditam precisar urgentemente de iniciações em Bruxaria. Parecem crer que não se pode praticar a Bruxaria sem este selo de aprovação. A Bruxaria foi, até por volta da década passada, uma religião fechada, mas não o é mais. Os componentes internos da Bruxaria estão disponíveis a quem quiser ler e tiver o discernimento necessário para compreender o material. Os únicos segredos da Bruxaria são suas formas individuais de ritos, encantamentos, nomes das deidades e assim por diante. Isto não lhe deve incomodar. Para cada ritual ou nome da Deusa secreto na Bruxaria, existem dezenas (se não centenas) de outros publicados e prontamente disponíveis. Atualmente, mais informações sobre Bruxaria vêm sendo publicadas do que em qualquer período anterior. Se a Bruxaria já foi secreta, atualmente é uma religião de poucos segredos.

Mesmo assim, muitos ainda se prendem à noção de que a iniciação é necessária, provavelmente acreditando que por esse ato mágico eles receberão os “segredos do universo e os poderes secretos”. Para piorar, alguns Bruxos bitolados dizem que a Deusa e o Deus não darão ouvidos a alguém que não seja membro de um coven portando seu Athame. Muitos Bruxos pensam assim. Mas não é assim que funciona. A iniciação real não é um ritual praticado por um ser humano sobre outro. Mesmo que aceite o conceito de que o iniciador esteja imbuído em divindade durante a iniciação, ainda assim é apenas um ritual.

A iniciação é um processo, gradual ou instantâneo, de sintonia entre o indivíduo e a Deusa e o Deus. Muitos Bruxos admitem prontamente que a iniciação ritual é apenas externa. A verdadeira iniciação ocorre, geralmente, semanas ou meses depois, ou antes do ritual físico. Sendo assim, a “verdadeira” iniciação Bruxa pode acontecer anos antes de o estudante contatar um mestre ou coven de Bruxaria. Seria essa iniciação menos eficaz ou menos genuína porque tal pessoa não passou por um ritual formal controlado por outro ser humano? Obviamente que não. Tenha certeza de que é bem possível experimentar uma verdadeira iniciação Bruxa sem jamais ter encontrado outra alma envolvida com a religião. Você pode até não ter ciência disso. Sua vida pode mudar gradualmente de foco até que perceba estar notando as aves e as nuvens. Você pode contemplar a lua em noites solitárias e falar com plantas e animais. O pôr-do-sol pode gerar um período de silenciosa contemplação.

Ou você pode mudar conforme as estações, adaptando a energia de seu corpo à energia do mundo natural a seu redor. A Deusa e o Deus podem cantar em sua mente, e você pode praticar rituais antes mesmo de se dar conta de que o está fazendo. Quando os modos antigos se tornarem parte de sua vida e sua relação com a Deusa e com o Deus estiverem fortes, quando tiver reunido seus instrumentos e praticado rituais e magia com prazer, você estará realmente no espírito e terá direito de chamar a si mesmo de “Bruxo”. Este pode ser seu objetivo, ou talvez deseje progredir mais, talvez prosseguindo em sua busca por um instrutor. Tudo bem. Mas, se nunca encontrar um, você terá a satisfação de saber que não ficou sentado esperando que os mistérios caíssem em seu colo. Terá sim desenvolvido as antigas magias e falado com a Deusa e com o Deus, reafirmando seu compromisso com a Terra em busca de desenvolvimento espiritual, e transformando a falta de iniciação física num estímulo positivo para mudar sua vida e seus conceitos.

Se contatar um mestre ou coven, eles provavelmente o julgarão um estudante digno de aceitação. Mas se descobrir que não se adapta ao estilo de Bruxaria deles, ou se houver um confronto de personalidades, não desanime. Você ainda possui a sua própria Bruxaria para retornar e prosseguir em sua busca. Este pode ser um caminho solitário, pois poucos de nós seguem os Modos Antigos. É desanimador passar seu tempo reverenciando a natureza e observar a Terra sendo sufocada por toneladas de concreto enquanto os outros parecem não se importar.

Para contatar outros de mentalidade semelhante, você pode assinar publicações Bruxas e começar a se corresponder com outros Bruxos. Prossiga lendo novos livros sobre Bruxaria e sobre a Deusa à medida que são publicados. Mantenha-se informado sobre o que ocorre no mundo da Bruxaria. Registre e escreva novos rituais e encantamentos. A Bruxaria não deve estagnar-se jamais. Muitos desejam formalizar sua vida dentro da Bruxaria com uma cerimônia de auto iniciação. Se você sentir necessidade de realizar um ritual de iniciação, então o faça! Há muitos rituais de iniciação, mas improvise se desejar! Se decidir convidar amigos e pessoas interessadas em unir-se em seus ritos, não permita que fiquem afastados e assistam enquanto você brinca de “sacerdotisa” ou “Bruxo”. Envolva-os. Torne-os parte dos ritos e da magia. Use sua imaginação e sua experiência prática para integrá-los a seus rituais.

Quando sentir um incomensurável prazer ao observar o pôr-do-sol ou o surgir da lua, quando vir a Deusa e o Deus em árvores ao longo de montanhas ou em regatos correndo entre campos, quando sentir o pulsar das energias da Terra em meio a uma cidade barulhenta, você terá recebido a verdadeira iniciação e estará conectado aos antigos poderes e modos das deidades. Alguns dizem: “Apenas um Bruxo pode criar um Bruxo.” Eu digo que apenas a Deusa e o Deus podem criar um Bruxo. Quem está mais bem qualificado para tal?

Scott Cunnigham nasceu em Toyal Oak, Michigan, em 27 de junho de 1956. Ainda no colegial tomou conhecimento sobre Bruxaria e foi praticante de magia elemental durante 20 anos. Exercitou, pesquisou e a seguir escreveu sobre o que aprendeu em sua iniciação na magia. Scott tem a seu crédito mais de trinta livros (tanto de ficção quanto não-ficção), Deixou esta existência em 28 de março de 1993, após um longo período de doença, mas seu trabalho e palavras ainda vivem.

Você pode obter maiores informações em um de seus livros, Guia Essencial da Bruxa Solitária – Editora Gaia.

Os comentários estão encerrados.