Sobre a Iniciação – Scott Cunnigham
25 de fevereiro de 2017
Mito, Rito e Religião
26 de fevereiro de 2017
Mostrar todos

Rituais

Existe uma certa dificuldade para muitas pessoas em improvisar na magia, principalmente no que se refere a rituais, independente da sua finalidade. De uma maneira geral, ao criar você mesmo os seus ritos, eles ganham força e poder, já que existe a necessidade de entrar em harmonia com as forças com as quais irá trabalhar. Deve haver uma reflexão sobre o que almeja, ou seja, sobre sua finalidade. Ao preparar seu ritual, inconscientemente vai-se adaptando diferentes características de diferentes tradições e, ao mesmo tempo, trabalhando seu lado poético e criativo ao proferir as invocações. Ao mesmo tempo trabalha seu lado de Sacerdote/Sacerdotisa. Inicialmente tente responder a algumas perguntas:

  • Porque fazer determinado ritual?
  • Qual a finalidade?
  • Qual o local onde será realizado?
  • Quem vai participar?
  • Será aberto ao público?

Com as perguntas respondidas, deve-se haver um preparo antecipado, principalmente no que se refere a um ritual em grupo. Essa preparação requer acima de tudo uma afinidade e harmonia entre os participantes. Se você é uma pessoa muito ligada aos detalhes ou é de certa forma um perfeccionista, busque escrever o ritual, discuta com os outros participantes as minúcias e distribua as tarefas para que todos contribuam de alguma forma. Agora, se você for uma pessoa “light”, descontraída, improvise de momento utilizando sua intuição quanto às disposições dos instrumentos e as invocações/evocações. Como conceito geral, prepare-se algum tempo antes, por uns dois dias no mínimo, mantendo a ideia firme. No dia, pouco antes de começar, busque desligar-se do mundo, deixando de fora suas complicações e problemas e comece a entrar em conexão com o cosmos. Busque um lugar sossegado onde haja uma natureza abundante, uma praia deserta, um espaço sagrado para você.

Utilize esse conceito tanto para rituais em grupo, quanto para solitários. Existem benefícios ao se praticar, inicialmente, os rituais solitários. Um deles é o vínculo que será criado tanto com os Elementos quanto com os Deuses. Adquirirá uma maior autoconfiança e um crescimento de seu Poder Pessoal. Aprenderá a interpretar as mensagens que lhe serão enviadas. Mas depois de um determinado período, os ritos solitários começam a ficar cansativos e, como o próprio nome diz, você acabará por se sentir solitário(a) e acabará montando ou se filiando a um grupo. O que não deve acontecer ao procurar um grupo é a pressa, pois você fatalmente pode encontrar pessoas que não tem uma afinidade maior com seus conceitos de religião. Mas não se desespere. Não encontrando um grupo, continue praticando sozinho(a), e deixe que o Universo cuide de colocar em seu caminho as pessoas certas, basta entregar nas mãos dos Deuses.

Quanto aos preparativos, ao refletir no objetivo do rito, escolha um panteão adequado para os trabalhos. Se seu desejo é fazer um rito de cura, escolha as divindades que estão ligadas a esse objetivo. Existem muitas divindades dentro de diversos panteões. Utilize o panteão grego, romano, celta, ou outro qualquer que você se identifique, pois todos cultuam a Deusa com nomes diferentes.

Não há uma necessidade de se especificar muito, ou seja, uma divindade para isso, outra para aquilo. Isso virá com o devido tempo, de acordo com o desenvolvimento de sua intuição e a confiança que você vai ganhando. Após decidir o panteão, ou as forças adequadas, comece a pensar em como fará a abertura do círculo ritual. Essa é uma decisão que deve ser tomada antecipadamente, pois o círculo é muito importante. Ele deixará o ambiente neutro e criará um espaço sagrado onde se pode trabalhar as energias geradas. Abra o círculo numa invocação aos antigos. Se você não possui instrumentos mágicos, use o dedo indicador, ou dê três voltas em sentido horário, proferindo palavras de exaltação e auxílio às forças, ou, ainda, crie seu espaço mentalmente. Não interessa como será feito, o importante é que seja criado o espaço, e que para você seja sagrado.

Invente suas próprias invocações. Não se prenda em rituais pré-estabelecidos. Isso se torna prejudicial para você e as outras pessoas em outros rituais. Após o traçado e a consagração do círculo, o espaço ritual foi criado. Agora poderá fazer a invocação dos Quatro Elementos e seus Guardiões, ou das Torres ou ainda os Quatro Cantos. Fica a seu critério como deseja chamá-los. Sua representação é a seguinte:

  • Norte – torre do mistério, do oculto;
  • Sul – torre do amor;
  • Leste – torre da sabedoria 
  • Oeste – torre da força.

Improvise nos significados. Cada Canto e cada Guardião possuem características próprias. Caso você esteja sozinho faça a invocação de todos os Elementos/Torres ou Cantos. Cada um sente uma maior afinidade com um determinado Guardião. O mais comum é:

  • Elemento Terra – Torre do Norte e dos Mistérios;
  • Elemento Fogo – Torre do Sul e do Amor,
  • Elemento Ar – Torre do Leste e da Sabedoria,
  • Elemento Água – Torre do Oeste e da Força.

Após a invocação dos Elementais, você deverá nesse momento solicitar a presença da Deusa e do Deus ou das entidades desejadas. Use a poesia, a música cantada, ou outro meio qualquer, mas verbalize as palavras. Use sua inspiração. Quanto maior o seu desejo, a sua vontade e sua visualização melhor será sua conexão com as forças pois neste momento você poderá receber e perceber as características das divindades. Esse é um momento onde nossas emoções afloram, onde nos exaltamos, sentimos como se estivéssemos unos com a natureza, com o cosmos. É um momento de Liberdade. Deixe fluir. Tudo fará parte do ritual. Esqueçam valores, ética, moral. Mas sejam honestos consigo mesmo, com os outros membros se houverem e com as Divindades presentes.

Agora vem a parte mais objetiva. Se, por exemplo, o ritual for para proteção, faça uma nova invocação aos Deuses com um pedido para que se energize objetos a fim de criar talismãs ou outros objetos para outros objetivos. Pode estar executando um ritual de exaltação, uma celebração, um esbat, um presente para as Fadas, para os Guardiões, oferecer uma homenagem à Deusa, enfim,  qualquer que seja o ritual, procure sempre estabelecer uma relação entre o objetivo e com as forças e objetos que irá trabalhar.

Outro ponto importante é a confiança que você deve ter em você e nas energias geradas/invocadas. Basta uma mínima dúvida e todo o ritual pode vir a fracassar. Após terminar a parte objetiva, deixe o ritual em aberto a fim de refletir um pouco. Ao encerrá-lo, agradeça as forças por terem ajudá-lo e desfaça o círculo dando três voltas em sentido anti-horário. Após o ritual busque descansar, pois você poderá se sentir um pouco desgastado(a) física e mentalmente.

Obs:// Os rituais descritos a seguir funcionam a contento. Use-os se achar conveniente, mas sinta-se à vontade para modifica-los conforme sua vontade, utilizando a sua intuição.

Efeito dos Rituais

O Cansaço

Terminado o ritual pode acontecer que os integrantes sintam dor de cabeça, náusea, tontura, hiper sensitividade, falta de concentração, câimbras, cabeça nas nuvens, etc. Isso se dá quando o nível de energia utilizado for alto, e o excedente não foi totalmente liberado. Para se remediar essa situação podemos utilizar um dos métodos abaixo:

  • Comer e beber algo leve faz com que haja movimento no organismo.
  • Em rituais ao ar livre, se possível abrace uma árvore ou deite-se na grama ou no chão, sentindo o contato da terra, pois o excesso de energia será absorvido pelo tronco da árvore ou pela própria terra.
  • Usando Água, tome uma ducha, entre no mar ou em um rio. Ou simplesmente deixe a água correr pelo seu corpo também fazendo com que o excesso de energia seja carregado pela corrente da água. Adicione sal ao seu banho, pois ele ajuda como elemento purificador.
  • Use visualização à medida em que a água corre, ela libera tudo o que deve ser liberado, deixando você renovado(a) e cheia de luz. Visualize o excesso de energia voltando para a água e se misturando com a terra ou as águas do mar.
  • Usando Pedra ou Cristal segure e visualize a energia entrando no cristal ou pedra por alguns minutos. Ao mesmo tempo, você estará “carregando” seu cristal ou pedrinha de estimação. A pedra ou cristal podem ser usados como talismã ou enterradas caso você queira se liberar de um sentimento negativo.
  • Quando estamos num círculo, uma das formas de descarregar toda energia é fazer todos voltarem-se para o exterior do círculo, com as mãos erguidas e em posição para “enviar” fachos de luz para os diferentes planos. Cada pessoa do círculo fala para quem ou para quê ela/ele quer mandar a energia que ainda possa estar presente no círculo. Existe sempre uma boa causa geral e várias causas específicas/pessoais que podem ser invocadas, ex. paz para uma determinada região do globo, saúde para um membro do círculo, emprego para um amigo, etc.

Círculo Mágico

Antes de mais nada, quero salientar que o Círculo Mágico não é propriamente um círculo mas sim uma Esfera de Proteção. O nome Círculo vem mais por uma convenção do que de uma prática, mas para facilitar o entendimento vou seguir a convenção. Ele vai ser a sua proteção ao fazer os rituais. Quando se cria o círculo, nada de fora pode te atacar ou machucar; nada vai poder entrar ou sair. Sua forma (círculo/esfera) simboliza algo que nunca acaba, algo que não tem começo, nem fim. A energia será concentrada dentro do círculo, e nada de fora pode afetar a energia que está ali dentro. Deve ser feito apenas celebrações ou magia dentro desse lugar consagrado. Normalmente, varia de pessoa pra pessoa, ou de coven pra coven as formas de traça-lo. Há bruxas que fazem grandes rituais antes de abri-los, e outras, que fazem apenas um agradecimento e pedem para que nada de mal possa entrar lá. Em ocasiões especiais (como nos 8 Sabbaths do ano), um ritual mais específico e completo pode ser feito para a abertura do círculo.

Ela nos liga ao mundo dos Deuses e faz com que estejamos fora do tempo e do espaço. Ajudando no trabalho mágico, aumentando a energia criada e nos protegendo das energias ruins que estão fora. Abaixo você encontra diversos modos de se criar o círculo, uma mais trabalhosa (que é melhor ser feito quando há várias pessoas), e outras mais simples. Com o tempo você descobrirá outras maneiras e criará a sua própria.

Como Criar o Círculo

Você precisa de:

  • Athame (se não tiver use um bastão ou um cristal etc.)
  • Velas: 2 vermelhas, 1 amarela, 1 azul e 1 marrom.
  • Água com sal
  • Incenso

Coloque o caldeirão no meio do círculo que será feito Comece ascendendo 1 vela para cada ponto cardeal:

  • Para o norte 1 vela marrom (Elemento Terra)
  • Para o Leste 1 vela amarela (Elemento Ar)
  • Para o Sul 1 vela vermelha (Elemento Fogo)
  • Para o Oeste 1 vela azul (Elemento Água)

Comece pelo norte, com o Athame saúde a terra (tocando o chão) e o céu (com o Athame erguido para cima), se você não tiver o Athame use um bastão, ou faça com o dedo indicador da mão de poder. Caminhe 3 vezes pelo sentido horário começando pelo norte, dizendo:

  • Eu traço este círculo para que me proteja de todas as energias negativas, e que esse círculo seja a minha ligação com o mundo do Deuses.

Depois purifique o círculo jogando um pouco de água e sal, no sentido horário. Repita a mesma coisa com o incenso, e depois com uma vela vermelha. Invocando os quadrantes:

Comece pelo Norte (Terra) com o Athame erguido para cima:

  • Salve, Guardiões da Torre do Norte
  • Poderes da Terra
  • Nós invocamos e chamamos você,
  • Senhora da escuridão da noite,
  • Touro negro da meia noite
  • Estrela do Norte
  • Montanha,
  • Campo Fértil, vinde!
  • Pela terra que é o corpo dela,
  • Sejam bem-vindos!

Dirija-se até o Leste (Ar)

  • Salve Guardiões da Torre do Leste,
  • Poderes do Ar,
  • Nós invocamos e chamamos você,
  • Falcão dourado do amanhecer
  • Redemoinho de Vento,
  • Sol Nascente,
  • Venha!
  • Pelo ar que é a respiração dela,
  • Exale sua luz,
  • Sejam bem vindos!

Depois, vá até o ponto Sul (Fogo):

  • Salve, Guardiões da Torre do Sul,
  • Poderes do Fogo!
  • Nós invocamos e chamamos vocês,
  • Leão Vermelho da tarde quente,
  • Reluzente!
  • Calor do Verão,
  • Centelha da Vida, Venha!
  • Pelo fogo que é o espírito dela,
  • Exale sua chama,
  • Sejam bem vindos!

Dirija-se ao Oeste (Água)

  • Salve, Guardiões da Torre do Oeste,
  • Poderes da Água!
  • Nós invocamos e chamamos vocês,
  • Serpente das profundezas,
  • Chuva prateada,
  • Estrela da Noite! Venha!
  • Pela água onde mora o útero dela,
  • Exale sua fluidez,
  • Sejam Bem Vindos!

Volte até o Norte e toque o Caldeirão com o Athame (ou o Bastão etc)

  • O círculo foi criado
  • Agora estou entre os mundos, Além do limite do tempo
  • Onde dia e noite, nascimento e morte
  • Permanecem como sendo um só

Acenda uma vela no meio do círculo ou do seu lado direito na sua frente, dizendo:

  • O fogo está aceso, que a Deusa e O Deus estejam aqui presentes. Dentro deste círculo trabalharei em perfeito amor e em perfeita confiança. Que assim seja!

O círculo foi traçado, agora você pode realizar o feitiço, ritual, que desejar.

Desfazendo o círculo

Depois que terminar você deve destraçar o círculo. Dispense e agradeça cada direção, começando pelo Norte, com o Athame ou com os braços abertos, dizendo:

  • Eu agradeço aos Guardiões da Torre do Norte, poderes da Terra por estarem presentes em meu rito sagrado me abençoando e me protegendo. Sigam em Paz!

Volte-se ao Leste:

  • Eu agradeço aos Guardiões da Torre do Leste, poderes do Ar por estarem presentes em meu rito sagrado me abençoando e me protegendo. Sigam em Paz!

Dirija-se até o ponto Sul:

  • Eu agradeço aos Guardiões da Torre do Sul, poderes do Fogo por estarem presentes em meu rito sagrado me abençoando e me protegendo. Sigam em Paz!

E por último vá até o Oeste:

  • Eu agradeço aos Guardiões da Torre do Oeste, poderes do Água por estarem presentes em meu rito sagrado me abençoando e me protegendo. Sigam em Paz!

Volte ao Norte e agradeça aos Deuses. Com o Athame na mão comece a andar pelo sentido anti-horário, diga:

  • Com o Athame eu destraço este círculo onde foi realizado meu rito sagrado, pelo poder do 3 vezes o 3 o círculo está aberto mas não rompido. Que assim seja, e assim se faça!

Criando o círculo mentalmente

Coloque-se de frente para o seu altar, relaxe por alguns momentos. Depois imagine uma luz azul em torno de você, girando no sentido-horário, e diga as seguintes palavras:

  • Eu traço em torno de mim um poderoso círculo de força e poder, e que neles estejam presentes as forças do elementos: da terra, do ar, do fogo e da água. E que a Deusa e o Deus estejam presentes nesse meu rito sagrado. Que o círculo seja consagrado e abençoado.

Depois disso realize seu trabalho mágico, quando terminar feche os olhos. Imagine o círculo girando em torno de você no sentido anti-horário, e à medida que ele gira, vai se dispersando. Diga as seguintes palavras:

  • Eu agradeço a Deusa e o Deus por estarem presente em meu rito sagrado, e as forças dos elementos, sigam em paz. Desfaço esse círculo, que ele volte para o mundo dos Deuses Antigos. O círculo está aberto mas não rompido. Que assim seja e assim se faça!

Traçando o Círculo

A Alta Sacerdotisa e o Alto Sacerdote traçam o círculo com o Athame ou a varinha enquanto dizem:

  • Com esse Athame, abro o círculo. E que todas as coisas ruins fiquem para fora, para proteger as pessoas que estão aqui dentro. Deusa consagre esse lugar.

A Alta Sacerdotisa traça o círculo por completo e volta ao seu lugar. Cada pessoa fica em seu respectivo lugar. Começa o ritual de abertura do círculo então, e cada elemento agradece à Deusa e ao Deus por estarem presentes e falam:

  • Leste: Salvem os Guardiões das torres do Leste. Venham juntar-se a nós neste círculo. Poderes do Ar vinde. Vigiem este espaço sagrado. Nós os saldamos.

Todos ficam em forma de pentagrama (cabeça erguida, braços e pernas abertos).

  • Sul: Salvem os Guardiões das torres do Sul. Venham juntar-se a nós neste círculo. Poderes do Fogo vinde. Vigiem este espaço sagrado. Nós os saldamos.

Todos ficam em forma de pentagrama.

  • Oeste: Salvem os Guardiões das torres do Oeste. Venham juntar-se a nós neste círculo. Poderes da Água vinde. Vigiem este espaço sagrado. Nós os saldamos.

Todos ficam em forma de pentagrama.

  • Norte: Salvem os Guardiões das torres do Norte. Venham juntar-se a nós neste círculo. Poderes da Terra vinde. Vigiem este espaço sagrado. Nós os saldamos.

Todos ficam em forma de pentagrama. A Alta Sacerdotisa desenha o pentagrama de invocação e o ritual começa.

Desfazendo o Círculo

A Alta Sacerdotisa e o Sacerdote agradecem à Deusa e ao Deus por terem estado presentes, e aos elementos. Cada pessoa volta ao seu lugar e diz:

  • Leste: Salvem os Guardiões das torres do Leste. Poderes do Ar, nós agradecemos sua presença aqui, como Guardiões no nosso círculo. Vão em paz, grandes Guardiões do Leste, com nossas bênçãos e nosso agradecimento. Obrigado(a) e Adeus.

Todos ficam em forma de pentagrama.

  • Sul: Salvem os Guardiões das torres do Sul. Poderes do fogo, nós agradecemos sua presença aqui, como Guardiões no nosso círculo. Vão em paz, grandes Guardiões do Sul, com nossas bênçãos e nosso agradecimento. Obrigada e Adeus.

Todos ficam em forma de pentagrama.

  • Oeste: Salvem os Guardiões das torres do Oeste. Poderes da Água, nós agradecemos sua presença aqui, como Guardiões no nosso círculo. Vão em paz, grandes Guardiões do Oeste, com nossas bênçãos e nosso agradecimento. Obrigado(a) e Adeus.

Todos ficam em forma de pentagrama.

  • Norte: Salvem os Guardiões das torres do Norte. Poderes da Terra, nós agradecemos sua presença aqui, como Guardiões no nosso círculo. Vão em paz, grandes Guardiões do Norte, com nossas bênçãos e nosso agradecimento. Obrigada e Adeus.

Todos ficam em forma de pentagrama. A Alta Sacerdotisa desenha o pentagrama de expulsão e mais uma vez agradece, e só então desfaz o círculo com o Athame de novo. Algumas pessoas começam o círculo pelo Leste, mas a maneira Celta é sempre pelo Norte. Na Tradição Celta, o Norte é sagrado, pois é pelo Norte que o guerreiro entra no círculo do conhecimento, e foi pelo Norte da Terra que os Celtas vieram para a Europa. Dentro do Círculo deve haver um símbolo em cada Quadrante representando os Quatro Elementos:

  • Água, Sal ou qualquer objeto marinho para a Água a Oeste;
  • Uma vela ou enxofre para o Fogo ao Sul;
  • Um pouco de terra, o pentagrama ou uma planta para a Terra ao Norte;
  • Uma pena ou incenso para o Ar a Oeste.

Esses elementos podem ser substituídos por velas na cor dos Quadrantes. Na Tradição Celta, as cores são:

  • Negro para o Norte, representando a meia-noite;
  • Vermelho para o Leste, representando o nascer do Sol;
  • Branco para o Sul, representando o Sol do meio-dia; e
  • Cinza, Azul ou Púrpura para o Oeste, representando o crepúsculo.

Utilize essas informações como base para criar os seus próprios rituais, de acordo com suas características e possibilidades. Antes de iniciar o Ritual, tudo já deve ter sido planejado com antecedência, e as funções de cada um já devem estar determinadas. Depois de traçado o Círculo, a sacerdotisa convida a Deusa para entrar no Círculo, e o Sacerdote faz o convite ao Deus. Esse ritual de evocação dos Deuses pode ser feito por outros membros do Coven se for o desejo da Sacerdotisa. Ela é a senhora do Coven, sendo sua atribuição determinar as funções de cada um, bem como dirigir um ritual e determinar seu andamento. Na falta de uma Sacerdotisa, essas atribuições vão para o sacerdote. Cabe também à sacerdotisa explicar o porquê do ritual e de tudo o que será feito para o Coven, naquela ocasião.

Os comentários estão encerrados.